Nós somos os gatos de Deus. Vamos ser seus cães

Eu tenho uma teoria: Deus nos deu os gatos para nos mostrar os jeitos estúpidos que agimos em relação à Ele, e nos deu os cães para demonstrar como Ele realmente quer que O tratemos.

Durante toda a minha vida, fui uma pessoa que gosta de gatos. Nesse quesito, fui fortemente influenciado por minha mãe, que também prefere os gatos. Ela realmente não gostava de cães e se esforçou para transmitir essa antipatia aos filhos.

Ela fez um excelente trabalho. Foi só depois de anos sendo desgastado por membros da minha família que finalmente cedi e comprei Lucy, uma labradora amarela e cadela de resgate, cinco anos atrás. Embora não esteja pronto para admitir para mim mesmo ou para o público em geral que agora gosto mais de cães do que de gatos, a presença de um cão e de um gato em minha vida me levou a certas conclusões.

Os cães tratam seus donos da mesma forma que os santos tratam a Deus. Os gatos tratam seus donos – bem, como eu trato Deus.

Quando Lucy fez algo errado, sabemos disso assim que olhamos para ela. Ela se encolhe em um canto e olha com culpa para a cena de seu crime. Nossa cadela é uma penitente natural. Ela se confessa rapidamente e está pronta para aceitar a penitência de ser temporariamente banida de casa. Então, 10 minutos depois, ela aceita o perdão com ainda mais entusiasmo.

Enquanto isso, nosso gato, Flurry, é um pecador endurecido. Você deve ter visto as notícias sobre gatos no inverno passado com foco no trabalho do autor Gareth Morgan, um ativista anti-gatos (sim, tal coisa existe). “Seu gato não é inocente”, disse Morgan. De acordo com sua pesquisa, um gato como Flurry mata cerca de 65 outros animais por ano, isso é mais de cinco por mês. Dessas, a cada ano ela traz para casa cerca de 13 carcaças, come 21 e deixa 31 apodrecendo.

E como Flurry age depois de ter devastado a população de aves nativas do nordeste do Kansas? Ela ronrona amorosamente e pula no meu colo como se doçura e inocência, e não matança e carnificina, preenchessem seu cérebro felino. A menos que ela esteja de mau humor – então ela sibila para mim e ataca meu pé, como se ele também fosse uma criatura inocente da floresta.

Podemos odiar admitir isso, mas muitas vezes somos como Flurry. Sabemos que há toda uma área da nossa vida que Deus não aprovaria – mas ficamos felizes em fingir que não somos quem realmente somos, e imaginamos que Ele também irá ignorar isso.

Os cães (e os santos) são o oposto. Eles aprenderam a admitir quem (e o que) são. Eles não levam mais vidas múltiplas, fingindo ser piedosos em um momento, escondendo seus pecados particulares quando lhes convém e mostrando suas garras para seus entes queridos quando estão cansados ​​ou irritados. Compare-os lado a lado e sempre sai o mesmo: 

Minha cadela é obediente. Meu gato espera que eu o obedeça. Minha cadela é humilde, se aceita como é. Minha gata é narcisista e se cuida obsessivamente. Minha cadela é paciente, esperando o dia todo se necessário pelo que ela quer. Minha gata é arrogante e vai embora furiosa se você não atender às suas exigências precisas. Eu sou o centro do mundo da minha cadela. Minha gata é o centro de um mundo que me inclui em algum lugar à margem.

Então aqui está minha oração: “Senhor, perdoe-me por me comportar como meu gato. Perdoe-me por tratá-lo como se eu fosse seu dono. Conceda-me uma fé humilde e obediente, uma esperança que confia em você para fazer coisas boas para mim e um amor que gira em torno de você e de sua vontade. Senhor, conceda-me a graça de ser mais parecido com meu cachorro!”

_____________

Autor: Tom Hoopes

É escritor residente no Benedictine College em Atchison, Kansas.

Fonte: CatholicDigest

Traduzido por Guilherme Guimarães de Miranda– Membro da Rede de Missão Campus Fidei, servindo no Núcleo de Comunicação

5 1 votar
O que você achou?
Assinar
Notifição de
0 Comentários
Feedbacks online
Ver todos os comentários
0
Deixe seu comentário no post!x
Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.