A bíblia é católica 

Tente explicar aos nossos irmãos fundamentalistas sobre quase todos os princípios da fé católica e é provável que você ouça em resposta: “Capítulo e versículo, por favor”. Em outras palavras, é claro, eles querem saber exatamente onde esse ensinamento se encontra na Bíblia porque eles aderem ao que está escrito e, portanto, apenas tais ensinamentos são retidos por eles. No entanto, nem toda crença no catolicismo pode ser encontrada palavra por palavra na Sagrada Escritura.

Todos os ensinamentos da Igreja, no entanto, estão em harmonia com a Sagrada Escritura. Este ensaio examinará a tríade da autoridade da Igreja: a Bíblia, a Tradição e o Magistério.

A Santíssima Trindade é um dos ensinamentos de quase todas as comunidades fundamentalistas (mas não de todas) que não está especificamente na Bíblia. Em nenhum lugar a doutrina da Divindade Única como Pai, Filho e Espírito Santo – co-eterna e co-igual – é encontrada na Bíblia; mas são “palavras em harmonia com as Escrituras”, de acordo com a segunda das 16 Verdades Fundamentais da Assembleia de Deus. Isso é importante porque minha família e parentes da Assembleia de Deus sempre gostam de insistir em “capítulo e versículo”. Parece que, para eles, é possível existir doutrinas “não (explicitamente) encontradas nas Escrituras”, mas se os católicos fazem isso, entendem como “acrescentar ao que está escrito”. A maior parte de nossa compreensão da Santíssima Trindade vem dos extensos escritos dos Pais da Igreja Primitiva, como Santo Agostinho, Santo Atanásio e muitos outros.

A Palavra Escrita

Vejamos de onde veio a própria Bíblia. Nenhum dos evangelhos foi escrito como textos históricos ou como diretrizes sobre como iniciar uma igreja. Em vez disso, eles foram escritos para atestar quem era Jesus – “para que você possa acreditar” (Jo 20, 31). Os Atos dos Apóstolos são uma continuação do evangelho de Lucas — ele fala da Igreja primitiva e da conversão de Paulo e das viagens missionárias. É como um diário. As cartas de Paulo são para aquelas comunidades onde havia questões que precisavam ser abordadas. Ele escreveu cartas pessoais a Timóteo, Tito e Filemom. Hebreus é um tratado magistral sobre o sacrifício eterno de Jesus. Tiago escreveu uma carta; Pedro escreveu duas cartas, João escreveu três — mais o livro do Apocalipse — e Judas escreveu uma. Outros evangelhos e cartas foram escritos, mas não entraram no cânon do Novo Testamento.

Enquanto muitos protestantes afirmam que “acrescentamos livros” ao Antigo Testamento (a versão católica tem 46 livros, enquanto a protestante tem 39), todos os protestantes concordam que nós, católicos, acertamos com o Novo Testamento porque eles têm o mesmo que nós. O primeiro cânon do Novo Testamento foi promulgado em 397 d.C. no Concílio de Orange na África. Muitos protestantes afirmam que o cânon só foi apresentado no Concílio de Trento (realizado de 1545 a 1563); no entanto, isso é incorreto. Não foi promulgada nesta oportunidade, mas reiterada para sempre depois que Martinho Lutero decidiu retirar a Carta aos Hebreus, a Carta de Tiago, o Livro do Apocalipse e a Carta de Judas. A propósito, Judas faz referência em sua carta à Assunção de Moisés e ao Livro de Enoque — dois escritos que não entraram no cânon do Novo Testamento. O Novo Testamento não vem com sua própria lista de quais escritos entrariam nele.

A diferença entre o Antigo Testamento protestante e o católico é sobre qual versão foi usada no tempo de Jesus. Em sua época, o hebraico havia caído em desuso como língua cotidiana; o aramaico havia tomado seu lugar. No entanto, com a conquista de Alexandre, o Grande, o grego tornou-se a língua bíblica devido à influência helenística. O Antigo Testamento grego (chamado Septuaginta) continha 46 livros, mas o hebraico mais antigo (texto massorético) continha apenas 39. Depois que a nova seita cristã caiu em desgraça com o judaísmo dominante (por volta de 90 d.C.) e foi expulsa, os judeus adotaram a versão hebraica do Antigo Testamento como seu texto porque os cristãos eram adeptos do uso dos sete “outros” livros para converter pessoas.

Esses sete livros, a propósito, são: Judith, Tobit, Baruch, Sirach (ou Eclesiástico), a Sabedoria de Salomão, Primeiro e Segundo Macabeus, os dois Livros de Esdras, adições ao Livro de Ester, adições ao Livro de Daniel, e a Oração de Manassés. Aqui temos o atestado dos judeus em sua própria enciclopédia online de por que, em última análise, a Septuaginta foi considerada “indesejável”: “foi adotada como Sagrada Escritura pela nova fé. Era necessária uma revisão no sentido do texto canônico judaico”.

Além disso, “As citações do Antigo Testamento encontradas no Novo são, em sua maioria, retiradas da Septuaginta; e mesmo onde a citação é indireta, a influência desta versão é claramente vista”. (jewishencyclopedia.com). Isso nos diz claramente que Jesus e seus apóstolos usaram a Septuaginta grega do Velho Testamento e não a masmorética hebraica. Não tenho certeza de por que os protestantes mantiveram a versão hebraica do Antigo Testamento e rejeitaram a versão claramente usada por Jesus.

Transmissão Oral da Palavra

Quanto à Sagrada Tradição (não tradição com “t” minúsculo), é outra forma de transmitir a fé – do latim, “Traditio” significa “transmitir”. Quase todas as cartas de Paulo foram compostas antes de qualquer um dos evangelhos ser escrito. Paulo nos diz em Ats 20, 35 quando se dirige ao povo em aramaico, ele afirma que foi educado “aos pés de Gamaliel”, o que é bastante significativo porque Gamaliel era um mestre da lei/tradição oral.

Não havia tal coisa, é claro, de alguém ter sua própria cópia da bíblia para pesquisar as coisas. Os protestantes citarão a passagem que “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar, para refutar, para corrigir e para instruir na justiça…” (2 Tm 3, 16), mas não diz apenas a Escritura. Na verdade, a Escritura a que Paulo se referia era o Antigo Testamento, pois o Novo ainda nem havia sido formado. Em 2 Tes 2, 15 Paulo exorta seus leitores a “manterem-se firmes e apegados às tradições que lhes foram ensinadas, seja por declaração oral ou por carta nossa” (itálico meu) – novamente, nenhuma menção de verificação de fatos na Bíblia. Em 1 Cor 11, 2, Paulo elogia a igreja “porque vocês… retêm as tradições, assim como eu as transmiti a vocês”.

Sabemos que, de acordo com o testemunho do próprio Paulo, tudo o que ele aprendeu sobre Jesus e a Igreja veio do próprio Jesus — veja 1 Coríntios 11, 23. É a única maneira pela qual ele poderia citar Jesus dizendo “É melhor dar do que receber” (At 20, 35), porque essa citação não é encontrada em nenhum dos evangelhos. Na verdade, a instrução de Paulo sobre a própria celebração da Eucaristia (1 Cor 11, 23) é anterior a qualquer um dos evangelhos. Paulo então vai ainda mais longe e diz ao jovem bispo Timóteo para confiar aos fiéis o que ele (Timóteo) ouviu de Paulo, mesmo por meio de “muitas testemunhas” (2 Tm 2, 2).

Para um bom artigo explicando ainda mais sobre a Tradição, acesse este site: http://www.catholic.com/tracts/scripture-and-tradition

O direito de interpretar

Quanto ao Magistério, é o dever de ensinar da Igreja. Mesmo que a Igreja tenha vindo primeiro, ela ainda serve a Sagrada Escritura e a tradição. O Magistério é guiado pelo Espírito Santo. Todos os bispos, por sua ordenação, têm este dom especial do Espírito Santo, desde que estejam em comunhão com o Santo Padre. O Magistério é o intérprete tanto da Sagrada Escritura quanto da Sagrada Tradição, assim como a Suprema Corte dos Estados Unidos é a guardiã e intérprete da Constituição. Se não houvesse ninguém para interpretar este nosso grande documento, exigiriamos que houvesse um intérprete oficial.

Como afirmei em meu primeiro artigo sobre a sagrada ordem dos bispos, fico feliz que minha salvação não dependa de minha própria interpretação das Escrituras. Se a auto-interpretação realmente fosse do Espírito Santo, então 100% das pessoas necessariamente chegariam à mesma interpretação 100% do tempo para “Deus não é deus de confusão” (1 Cor 14, 33). Mas Deus é um… A Verdade é uma. E como eu disse então… Obrigado, queridos bispos, por tudo que vocês fazem!


Autora: Cynthia Trainque.

Cynthia Trainque é uma autora matriculada no Master of Arts in Ministry (MAM) for the Laity no St. John’s Seminary, Brighton, MA. Ela serviu a igreja por vários anos como trabalhadora, escritora e voluntária e atualmente é membro ativo de Nossa Senhora de Lourdes em Worcester, MA. Cynthia está disponível para falar como palestrante/professora convidada sobre a beleza da fé católica. Ela dá palestras e também cria/usa apresentações em PowerPoint. Ela pode ser contatada em Catherineofsienamedia@yahoo.com.

Fonte: Catholic Exchange

Traduzido por Isabel Caminada – Membro da Rede de Missão Campus Fidei, servindo no Núcleo de Revisão e Tradução, além de atualmente ser coordenadora do Grupo de Estudos de Teologia do Corpo

0 0 votos
O que você achou?
Assinar
Notifição de
0 Comentários
Feedbacks online
Ver todos os comentários
0
Deixe seu comentário no post!x
Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.